TERMOGRAFIA INFRAVERMELHA COMO DIAGNÓSTICO PRECOCE DE LESÃO POR PRESSÃO E COMPLICAÇÕES

Uma revisão

Autores

  • Cinthya Kelly Bastos Freire Nogueira Centro Universitário Meta-UNIMETA
  • Mayara Francisca Barbosa Caruta UNIMETA
  • Sâmila Rociene Nunes Melo Centro Universitário Meta-UNIMETA
  • Doayne Gabrielly Rodrigues Senna Centro Universitário Meta-UNIMETA
  • LUIS EDUARDO MAGGI FEDERAL UNIVERSITY OF ACRE

DOI:

https://doi.org/10.54038/ms.v2i1.17

Palavras-chave:

termograma, úlcera por pressão, cicatrização

Resumo

Introdução: A Lesão por Pressão (LPP) consiste em uma região onde houve um processo de isquemia em decorrência da pressão prolongada sobre tecidos moles e principalmente proeminências ósseas. A câmera termográfica tornou-se um instrumento factível para diagnóstico de patologias. Objetivo: verificar através da bibliografia se a termografia infravermelha é capaz de diagnosticar precocemente estágios iniciais da LPP, detectar a evolução da mesma e ainda verificar sua utilização no processo cicatricial. Método: trata-se de uma revisão literária integrativa, desenvolvido através da pesquisa de artigos datados de 2006 a 2017. Resultados: Os artigos selecionados para revisão bibliográfica foram divididos de acordo com seus objetivos. Desta forma, foram criados dois grupos. Discussão: Nota-se que novamente que existe inconsistência em relação a temperatura que favorece a piora ou melhora da LPP, os autores não conseguem entrar em acordo nessa questão, mas em relação à termografia os resultados são significativamente bons, já que todos os estudos mostram que a termografia serve como método eficaz para monitoramento de LPP.

Referências

Souza CT de, Prado RT. A Utilização da escala de Braden na UTI para prevenção de úlcera por pressão. Revista EDUC-Faculdade de Duque de Caxias [Internet]. 2016;03(1):31–50. Available from: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/11076

Moraes JT, Borges EL, Lisboa CR, Cordeiro DCO, Rosa EG, Rocha NA. Conceito e classificação de lesão por pressão: atualização do National Pressure Ulcer Advisory Panel. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. 2016;6(2):2292–306.

Facchinetti JB, Fernandes FP. Recursos utilizados por Fisioterapeutas para Prevenção e Tratamento de Lesão por Pressão. Id on Line REVISTA DE PSICOLOGIA. 2017;11(37):421–35.

Moro A, Maurici A, do Valle JB, Zaclikevis VR, Kleinubing H. Assessment of patients with pressure sores admitted in a tertiary care center. Revista da Associacao Medica Brasileira. 2007;53(4):300–4.

Mendonça PK, Loureiro MDR, Ferreira Júnior MA, Souza AS de. Ocorrência e fatores de risco para lesões por pressão em centros de terapia intensiva TT - Occurrence and risk factors for pressure injuries in intensive care centers. Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2018;12(2):303–11. Available from: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23251/27794%0Ahttps://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/23251/27793

de Souza TS, Maciel OB, Méier MJ, Danski MTR, Lacerda MR. Estudos clínicos sobre úlcera por pressão. Revista brasileira de enfermagem. 2010;63(3):470–6.

Constantin A, Moreira AP, Oliveira JL, Hofstätter LM, Fernandes L. Incidência de lesão por pressão em unidade de terapia intensiva para adultos. Revista ESTIMA. 2018;16:1–9.

Rocha SCG, Oselame GB, Mello MG da S, Neves EB. Comparação das escalas de avaliação de risco de lesão por pressão. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research. 2016;18(4):143–51.

Silva DRA, Bezerra SMG, Costa JP, Luz MHBA, Lopes VCAL, Nogueira LT. Curativos de lesões por pressão em pacientes críticos: análise de custos. Pressure ulcer dressings in critical patients: A cost analysis. 2017;51:1–8.

HRMS HR de MG do S. Protocolo de Prevenção de LPP [Internet]. Campo Grande, MS; 2017. Available from: http://www.hospitalregional.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/129/2018/01/PROTOCOLO-DE-LPP.pdf

Bavaresco T, Medeiros RH, Lucena A de F. Implantação da Escala de Braden em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário. Revista gaúcha de enfermagem / EENFUFRGS. 2011;32(4):703–10.

Serpa LF, Santos VLC de G, Campanili TCGF, Queiroz M. Validade preditiva da escala de Braden para o risco de desenvolvimento de úlcera por pressão, em pacientes críticos. Revista Latino-Americana de Enfermagem [Internet]. 2011 [cited 2021 Dec 7];19(1):1–8. Available from: http://www.scielo.br/j/rlae/a/pvfjgRw3q844YGt4LHMqNpQ/abstract/?lang=pt

Diakides NA, Bronzino JD. Medical Infrared Imaging. New York: CRC Press; 2008.

Guimaraes CMD de S, Brioschi ML, Neves EB, Balbinot LF, Teixeira MJ. IMAGEM INFRAVERMELHA NO DIAGNÓSTICO DAS DOENÇAS DOS PÉS. PAN AMERICAN JOURNAL OF MEDICAL THERMOLOGY. 2018;4:7–14.

Kanazawa T, Nakagami G, Goto T, Noguchi H, Oe M, Miyagaki T, et al. Use of smartphone attached mobile thermography assessing subclinical inflammation: A pilot study. Journal of Wound Care. 2016;25(4):177–82.

Côrte ACR e., Hernandez AJ. Termografia médica infravermelha aplicada à medicina do esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2016;22(4):315–9.

Godke F, Nohama P. Sistema mecânico para evitar úlceras de pressao em usuários de cadeiras de rodas. Revista Tecnologia e Humanismo [Internet]. 2006;20(30):111–23. Available from: https://periodicos.utfpr.edu.br/rth/article/view/6382

Judy D, Brooks B, Fennie K, Lyder C, Burton C. Improving the detection of pressure ulcers using the TMI ImageMed system. Advances in skin & wound care. 2011;24(1):18–24.

Bolton L. Thermal Images Enhance Pressure Ulcer Risk Detection. Wounds. 2014;26(12):360–2.

Bhargava A, Chanmugam A, Herman C. Heat transfer model for deep tissue injury: A step towards an early thermographic diagnostic capability. Diagnostic Pathology. 2014;9(1):1–18.

Bennett SL, Goubran R, Knoefel F. Long term monitoring of a pressure ulcer risk patient using thermal images. In: 39th Annual International Conference of the IEEE Engineering in Medicine and Biology Society (EMBC). 2017. p. 1461–4.

Silvestre JT, Holsbach DR. Atuação fisioterapêutica na úlcera de pressão : uma revisão de literatura. Revista Fafibe On-Line. 2012;V(5):1–12.

Nakagami G, Sanada H, Iizaka S, Kadono T, Higashino T, Koyanagi H, et al. Predicting delayed pressure ulcer healing using thermography: A prospective cohort study. Journal of Wound Care. 2010;19(11):465–72.

Higashino T, Nakagami G, Kadono T, Ogawa Y, Iizaka S, Koyanagi H, et al. Combination of thermographic and ultrasonographic assessments for early detection of deep tissue injury. International Wound Journal. 2014;11(5):509–16.

Chaves MEA, da Silva FS, Soares VPC, Ferreira RAM, Gomes FSL, de Andrade RM, et al. Evaluation of healing of pressure ulcers through thermography: A preliminary study. Revista Brasileira de Engenharia Biomedica. 2015;31(1):3–9.

Farid KJ, Winkelman C, Rizkala A, Jones K. Using temperature of Pressure-related Intact discolored areas of skin to detect deep tissue Injury: an observational, retrospective, Correlational study. Ostomy Wound Management. 2012;58(8):30–1.

Yamamoto T, Yamamoto N, Azuma S, Todokoro T, Koshima I. Handy thermography for bedside evaluation of pressure ulcer. Journal of Plastic, Reconstructive and Aesthetic Surgery [Internet]. 2013;66(7):e205–6. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjps.2013.02.005

Kanazawa T, Kitamura A, Nakagami G, Goto T, Miyagaki T, Hayashi A, et al. Lower temperature at the wound edge detected by thermography predicts undermining development in pressure ulcers: a pilot study. International Wound Journal. 2016;13(4):454–60.

Downloads

Publicado

10/03/2022

Como Citar

Nogueira, C. K. B. F. ., Caruta, M. F. B., Melo, S. R. N. ., Senna, D. G. R. ., & MAGGI, L. E. (2022). TERMOGRAFIA INFRAVERMELHA COMO DIAGNÓSTICO PRECOCE DE LESÃO POR PRESSÃO E COMPLICAÇÕES: Uma revisão. Multidisciplinary Sciences Reports, 2(1). https://doi.org/10.54038/ms.v2i1.17

Edição

Seção

IV - CIÊNCIAS DA SAÚDE

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)