FATORES RELACIONADOS À OCORRÊNCIA DE LACERAÇÕES PERINEAIS OBSTÉTRICAS EM PARTURIENTES DE UMA MATERNIDADE DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

Visualizações: 212

Autores

  • Kauany Beni Dantas Universidade Federal do Acre
  • Adna Rocha de Araújo Maia Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde na Amazônia Ocidental. Universidade Federal do Acre, Brazil https://orcid.org/0000-0002-9035-8393
  • Sarah Barros de Sá CCSD/Universidade Federal do Acre, Brazil
  • Melyssa Kethleen Melo Muniz CCSD/Universidade Federal do Acre, Brazil
  • Lucas Lobianco De Matheo Laboratório de Ultrassom/PEB/COOPE/Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ
  • Wagner Coelho de Albuquerque Pereira Laboratório de Ultrassom/PEB/COOPE/Universidade Federal de Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - RJ https://orcid.org/0000-0001-5880-3242
  • Luis Eduardo Maggi Laboratório de Biofísica/CCBN/Universidade Federal do Acre, Rio Branco - AC https://orcid.org/0000-0003-3931-7921

DOI:

https://doi.org/10.54038/ms.v3i1.33

Palavras-chave:

Laceração perineal, Período pós-parto, Parto normal

Resumo

As lacerações perineais podem serem denominadas como a ocorrência de traumatismos espontâneos na região perineal, sendo frequentes após o parto vaginal, e responsáveis por desencadear significativas morbidades maternas, acarretando alterações na qualidade de vida das mulheres. O presente estudo buscou identificar os principais fatores associados à ocorrência de lacerações perineais obstétricas em mulheres na faixa etária de 18 a 45 anos em Rio Branco - Acre. Realizou-se um estudo transversal, no período de novembro de 2021 a julho de 2022 na Maternidade Bárbara Heliodora, por meio de entrevista e coleta de dados em prontuários. Foram incluídas 120 puérperas que apresentaram lacerações perineais pós-parto vaginal. Pode-se observar que mães primíparas tem maior probabilidade de terem lacerações níveis II e III do que mães multíparas. O estudo demostra que mulheres solteiras tem predisposição para lesões mais profundas, entretanto, a diferença de proporção entre estados civil não foi significativa, também mostra que as mulheres brancas apresentaram maior proporção em lacerações de grau II e III, porém com baixa significância estatística. Já o peso médio do bebê não apresenta correlação com o grau de laceração.

Referências

Goh R, Goh D, Ellepola H. PERINEAL TEARS-A REVIEW. AJGP 2018; 47: 1–2. DOI: https://doi.org/10.31128/AFP-09-17-4333

Dunn AB, Paul S, Ware LZ, et al. Perineal Injury During Childbirth Increases Risk of Postpartum Depressive Symptoms and Inflammatory Markers. J Midwifery Womens Health 2015; 60: 428–436. DOI: https://doi.org/10.1111/jmwh.12294

Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. The Management of Third-and Fourth-Degree Perineal Tears Green-top Guideline No. 29. Londond, UK, https://www.rcog. org.uk/globalassets/documents/guidelines/gtg-29.pdf (2015, accessed 26 October 2022).

Muhleman MA, Aly I, Walters A, et al. To cut or not to cut, that is the question: A review of the anatomy, the technique, risks, and benefits of an episiotomy. Clin Anat 2017; 30: 362–372. DOI: https://doi.org/10.1002/ca.22836

Ministério da Saúde. Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal. Brasilia: Ministério da Saúde, 2017.

Colacioppo PM, Riesco MLG, Colacioppo RC, et al. Avaliação do viés de classificação da laceração perineal no parto normal. Acta Paulista de Enfermagem 2011; 24: 61–66. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002011000100009

Jiang H, Qian X, Carroli G, et al. Selective versus routine use of episiotomy for vaginal birth. Cochrane Database of Systematic Reviews; 2017. Epub ahead of print 8 February 2017. DOI: 10.1002/14651858.CD000081.PUB3/MEDIA/CDSR/CD000081/IMAGE_N/NCD000081-CMP-004-06.PNG. DOI: https://doi.org/10.1002/14651858.CD000081.pub3

Klein MC, Janssen PA, MacWilliam L, et al. Determinants of vaginal-perineal integrity and pelvic floor functioning in childbirth. Am J Obstet Gynecol 1997; 176: 403–410. DOI: https://doi.org/10.1016/S0002-9378(97)70506-4

Monteiro MV de C, Pereira GMV, Aguiar RAP, et al. Risk factors for severe obstetric perineal lacerations. Int Urogynecol J 2016; 27: 61–67. DOI: https://doi.org/10.1007/s00192-015-2795-5

jamovi. The jamovi project.

Basile AL de O. Estudo randomizado controlado entre as posições de parto: litotomica e lateral-esquerda. Dissertação de Mestrado, UNIFESP, https://repositorio.unifesp.br/handle/11600/17309 (2001, accessed 26 October 2022).

Sampselle CM, Hines S. Spontaneous pushing during birth: Relationship to perineal outcomes. J Nurse Midwifery 1999; 44: 36–39. DOI: https://doi.org/10.1016/S0091-2182(98)00070-6

Klein MC, Gauthier RJ, Robbins JM, et al. Relationship of episiotomy to perineal trauma and morbidity, sexual dysfunction, and pelvic floor relaxation. Am J Obstet Gynecol 1994; 171: 591–598. DOI: https://doi.org/10.1016/0002-9378(94)90070-1

Santos PSO dos, Nery LA da S. Fatores associados à laceração perineal durante o parto normal. UNISUL, 2018.

Suto M, Takehara K, Misago C, et al. Prevalence of Perineal Lacerations in Women Giving Birth at Midwife-Led Birth Centers in Japan: A Retrospective Descriptive Study. J Midwifery Womens Health 2015; 60: 419–427. DOI: https://doi.org/10.1111/jmwh.12324

Melo ME de. Ganho de Peso na Gestação.

Garretto D, Lin BB, Syn HL, et al. Obesity May Be Protective against Severe Perineal Lacerations. J Obes 2016; 1–5. DOI: https://doi.org/10.1155/2016/9376592

Howard D, Davies PS, Delancey JOL, et al. Differences in Perineal Lacerations in Black and White Primiparas. Obstet Gynecol 2000; 96: 622–624. DOI: https://doi.org/10.1097/00006250-200010000-00026

Grobman WA, Bailit JL, Rice MM, et al. Racial and ethnic disparities in maternal morbidity and obstetric care. Obstetrics and Gynecology 2015; 125: 1460–1467. DOI: https://doi.org/10.1097/AOG.0000000000000735

Jansson MH, Franzén K, Hiyoshi A, et al. Risk factors for perineal and vaginal tears in primiparous women – the prospective POPRACT-cohort study. BMC Pregnancy Childbirth; 20. Epub ahead of print 1 December 2020. DOI: 10.1186/s12884-020-03447-0. DOI: https://doi.org/10.1186/s12884-020-03447-0

FEBRASGO. Manual de Aleitamento Materno. São Paulo, 2015.

Downloads

Publicado

22/02/2023

Como Citar

Dantas, K. B., Maia, A. R. de A., Sá, S. B. de, Muniz, M. K. M., De Matheo, L. L., Pereira, W. C. de A., & Maggi, L. E. (2023). FATORES RELACIONADOS À OCORRÊNCIA DE LACERAÇÕES PERINEAIS OBSTÉTRICAS EM PARTURIENTES DE UMA MATERNIDADE DA AMAZÔNIA OCIDENTAL. Multidisciplinary Sciences Reports, 3(1). https://doi.org/10.54038/ms.v3i1.33

Edição

Seção

IV - CIÊNCIAS DA SAÚDE
Received 2023-01-16
Accepted 2023-02-14
Published 2023-02-22

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)